Cunha 5/setembro/2008

06/09/2008 <p>A Nebulosa da Cabe&ccedil;a do Cavalo (Horsehead Nebula), tamb&eacute;m conhecida como Barnard 33) &eacute; uma <a href="http://en.wikipedia.org/wiki/Dark_nebula">nebulosa escura</a> na <a href="http://en.wikipedia.org/wiki/Orion_constellation">constela&ccedil;&atilde;o de Orion</a>. A nebulosa est&aacute; localizada logo abaixo da estrela <a href="http://en.wikipedia.org/wiki/Alnitak">Alnitak</a>, A estrela mais a esquerda (ou direita no hemisf&eacute;rio sul) do cintur&atilde;o de &Oacute;rion. Est&aacute; a aproximadamente 1500 anos-luz da terra. Possui o formato de uma cabe&ccedil;a de cavalo, e sua forma foi inicialmente observada em 1888 por Williamina Fleming na chama fotogr&aacute;fica B2312 obtida no observat&oacute;rio de Harvard.</p>
<p>Detalhe da regi&atilde;o da nebulosa da Cabe&ccedil;a de Cavalo.</p>
<p><img class="thumbimage" border="0" alt="Hubble image of Horsehead Nebula." width="200" height="146" src="http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/4/46/Horsehead-Hubble.jpg/200px-Horsehead-Hubble.jpg" /></p>
<p>O brilho avermelhado &eacute; originado&nbsp;por g&aacute;s hidrog&ecirc;nio predominantemente atr&aacute;s da nebulosa, ionizado pela brilhante estrela pr&oacute;xima Sigma Orionis. A escurid&atilde;o do formato de cabe&ccedil;a de cavalo &eacute; causado principalmente por particulas de poeira. Jatos de g&aacute;s deixando a nebulosa s&atilde;o afunilados por fortes campos magn&eacute;ticos. Pontos brilhantes na base da nebulosa s&atilde;o jovens estrelas no processo inicial de forma&ccedil;&atilde;o.</p>
Barnard 33
Nebulosa da Cabeça de Cavalo
06/09/2008 <p>A regi&atilde;o da Espada de &Oacute;rion (M42, M43, Nebulosa &ldquo;Running Man&rdquo; ou NGC 1977) &eacute; composta por um conjunto de nebulosas com destaque a grande nebulosa de &Oacute;rion ou M42. M42 &eacute; um dos objetos de c&eacute;u profundo com maior brilho. Desta maneira, tamb&eacute;m &eacute; a nebulosa difusa mais brilhante. &Eacute; vis&iacute;vel ao observador mesmo em locais com polui&ccedil;&atilde;o luminosa moderada e por isso &eacute; um dos objetos mais conhecidos. Seu tamanho aparente se estende por 85x60 minutos de arco e brilha com magnitude de 4.0. Sua dist&acirc;ncia &eacute; de 1500 anos-luz. Anexo a nordeste de M42 se encontra outra nebulosa de menor brilho e tamanho denominada M43 (ou Nebulosa de De Mairan). Na verdade, M43 tamb&eacute;m &eacute; parte da grande Nebulosa de &Oacute;rion (M42) separada por uma impressionante regi&atilde;o escura. Finalmente, n&atilde;o podemos deixar de destacar a nebulosa &ldquo;Running Man&rdquo; ou NGC 1977. Regi&atilde;o predominantemente azulada devido a nuvens de reflex&atilde;o de hidrog&ecirc;nio. &ldquo;Caminhos&rdquo; escurecidos por poeira d&atilde;o o nome da nebulosa.</p>
Messier 42
Nebulosa de Orion
06/09/2008 <p>Aglomerado aberto mais famoso e conhecido desde &eacute;pocas antigas. Ao menos seis estrelas s&atilde;o vis&iacute;veis a vista desarmada. Seus nomes s&atilde;o: Merope, Alcyone, Atlas, Pleione, Maia e Electra. Em lugares de polui&ccedil;&atilde;o luminosa moderada esse n&uacute;mero pode chegar a nove. Em lugares de baixa polui&ccedil;&atilde;o chega-se facilmente a doze estrelas. Em fotografias de longa exposi&ccedil;&atilde;o esse aglomerado aparece envolto a uma regi&atilde;o de nebulosidade azulada. Essa nebulosa de reflex&atilde;o, denominada de Nebulosa &ldquo;Merope&rdquo; (IC 349), circunda a estrela Merope e n&atilde;o constitui a nuvem de g&aacute;s que deu origem a esse aglomerado. Devido ao seu grande campo no c&eacute;u (cerca de 2 graus), M45 &eacute; um excelente alvo para instrumentos de grande campo ou bin&oacute;culos.</p>
Messier 45
Pleiades