Nova Petrópolis

No final da década de 70 uma estrada estava sendo aberta no município de Nova Petrópolis através de uma retroescavadeira quando encontraram um bloco muito pesado, parecendo ferro. Este bloco ficou guardado em uma garagem e tornou-se conhecido por "chorar" - na realidade água de condensação durante bruscas mudanças de temperatura.

Em 1982 o médico Hardy Grunewaldt conheceu o bloco e, reconhecendo-o como meteorito, adquiriu-o. Metade do bloco foi ao Museu Nacional e a outra metade ficou com o Dr. Hardy. O Museu teve contato com o meteorito e ofereceu-se a trata-lo e serrar fora um pedaço para obter fragmentos de 100 a 200 gramas. Isso foi feito através de um lento e penoso aprendizado, com a colaboração de vários laboratórios da Escola de Engenharia da UFRGS. Uma vez concluído o processo, um fragmento valendo mais de 1500 reais foi incorporado ao acervo do Museu: um meteorito metálico com espetaculares estruturas de Widmanstätten, impermeabilizado com 3 demãos de resina acrílica. É um dos 4 meteoritos conhecidos para o Rio Grande do Sul e, além do proprietário, somente o Museu possui um fragmento.

A peça que o Museu possui tem uma pequena inclusão arredondada meio amarelada, que é de sulfeto ou seja troilita - FeS, quase igual a pirrotita terrestre, só que estequiometrica FeS.
(Informação de Maria Elizabeth Zucoloto do Museu Nacional do Rio de Janeiro )