Minas Gerais

O Minas Gerais foi encontrado sem dados na coleção do Museu Nacional, Rio de Janeiro, em 1888 sem nenhum registro. Como antigos funcionários acreditavam que a massa tivesse vindo de Minas Gerais, recebeu este nome. O pedaço principal é de cor clara e pesa 1.22kg, segundo Oliveira (1931) que o classificou como condrito branco e veiado. O meteorito é listado por Hey (1966) e Hutchison (1977).

Apresenta textura altamente recristalizada com apenas poucos côndrulos arredondados e de textura interna variável, pouco distinta da matriz. O meteorito mostra evidências de choques leves.

Mineralogicamente consiste basicamente de olivina (Fa25), piroxênios pobres em Ca (Fs20.9), ferro-niquelífero, menores quantidades de troilita e cromita e fases acessórias de calcopirrotina, mackinawita e ilmenita. Trata-se de um condrito ordinário, olivina hiperstênio, pertence ao grupo L6 veiado.

Fonte: Meteoritos: Cofres da Nebulosa Solar, Scorzelli, Varela, Zucolotto.