Conquista

Caiu as 5:40h da manhã de dezembro de 1965, na Fazenda Mateira no Município de Conquista. A queda foi obsevada pelo Sr. Waldemar Zago, que tinha se levantado para dar uma volta. Segundo ele só ouviu um barulho como relâmpago, quando viu descer um raio vermelho em direção ao mato e ouviu um estrondo quando atingiu o solo a cerca de 300m da sede da fazenda. Contou a história ao seu compadre Leônidas, que encontrou o buraco de cerca de 2.2m de diâmetro com o capim virado para dentro. Recuperaram uma única pedra de 45.4kg. O local foi arado logo depois e nenhuma outra massa foi avistada.

O meteorito ficou em poder de seu Leônidas, quando R.L.L. Mura, que realizava trabalho de campo na área ouviu falar da queda e conseguiu que um fragmento de 20.5kg fosse doado a Universidade Federal de Minas Gerais, de onde desapareaceu. Foi relatado por R.L.L. Murta (1971) e descrito por Keil et al (1978) e Gomes e Keil (1980).

O meteorito é bem friável e se desintegra com facilitdade, pode-se notar que perdeu grande parte da crosta de fusão entre  1971 e 1978, épocas da primeira e segunda fotos publicadas do meteorito.

O meteorito mostra textura condrítica bem desenvolvida. Os côndrulos variando em forma de arredondado e elongados e em tamanhos de 0.1m a 1.9mm (média de 0.5mm). Apresenta estrutura interna bem variada sendo observadas as seguintes variedades, excentro-radial (RP0, pofiríticos (PP, PO e POP), bem como granular (GOP). A matriz é finamente granulada de material microcristalino lembrando vidro cristalizado, também encontrada no interior dos côndrulos.

O meteorito é constituído basicamente de olivina, orto e clino-piroxênios pobres em cálcio, troilita e ferro-niquelífero com quantidades menores de material vítreo de composição variável. Quantidades acessórias de pigeonita e cromita. Minerais secundários de óxido de ferro formados por intemperismo terrestre, em geral ao redor das partículas metálicas.

A composição da olivina varia bem pouco de grão para grão com composição média de Fa17.2. O piroxênio varia um pouco mais sendo alguns grãos mais ricos em Ca, Fs15.4 Wo3.0. O ferro total recalculado é de Fe-total 25.83% e razões Fe0/Ni de 9.59.

Os dados quimicos e mineralógicos classificam o Conquista como um meteorito condrítico (olivina-bronzita condrito) do tipo H4. A pequena variação da composição da olivina e piroxênio bem como a textura condrítica bem pronunciada o enquadram no tipo petrológico 4.

Fonte: Meteoritos: Cofres da Nebulosa Solar, Scorzelli, Varela, Zucolotto.