Rio do Pires

Quando passou a se interessar por meteoritos o pesquisador Wilton de Carvalho procurou o professor H. Shigame da Universidade Federal da Bahia, que o presenteou com um meteorito de 118g, encontrado em uma viagem de campo perto da cidade do Rio do Pires. O meteorito foi registrado no Meteoritical Bulletin 77.

Exibe crosta de fusão negra bem preservada e sinais de que foi descoberto logo pós a sua queda. Apresenta textura condrítica com alguns côndrulos definidos em relação a matriz.

Os côndrulos variam de arredondados a alongados, fibrosos e radiados a quebrados e fragmentados variando de 0.3 a 5mm de diâmetro com muita pouca matriz.

Minerologicamente consite de olivina Fa 25,35, piroxênio (bronzina) Fs 20.4, kamacita-taenita e menores quantidades de troilita e plagiocásio (maskelita). A matriz consite de fragmentos de côndrulos. 

Com base na textura e composição, trata-se de um condrtio ordinário do tipo L6.

Fonte: Meteoritos: Cofres da Nebulosa Solar, Scorzelli, Varela, Zucolotto.

Um dos meteoritos da coleção é proveniente do IOM (Institute of Meteoritics do Novo Mexico), local para o qual o Wilton Carvalho mandou amostras do meteorito.