São José do Rio Preto

Caiu no dia 14 de agosto de 1962, por volta das 08:00hs a 300m SW da sede da Fazenda Urtiga, que era na época de propriedade do senhor João Bastos, estando localizada a cerca de 12km da cidade de São José do Rio Preto. A queda foi testemunhada por Raimundo Golveia Salgado, que por muito pouco não foi antigido pela queda de "estranho" corpo celeste que caiu a apenas 3 metros dele. A pedra pesava 927g e caiu produzindo um forte ruído, não provocou nenhuma cratera nem buraco. A pedra foi recuperada meia hora após a queda e segundo informações ainda mantinha uma temperatura alta, não tendo sido possível inclusive tocá-la imediatamnte.

As notícias do acontecimnto levaram o Professor Arid ao local da queda, conseguindo que o proprietário da fazendo doasse o meteorito para pesquisa. O meteorito foi estudado primeiramente por Coutinho e Arid que também estabeleceram que o meteorito viajava de SW-NE. 

Listado em Hey (1966) e Hutchison et al. (1977), descrito por Coutinho e Arid (1963) e Gomes et al. (1978d).

O meteorito exibe textura condrítica bem desenvolvida com vários tipos de côndrulos (barrado, excentroradial e porfiríticos), visivelmente distintos da matriz microcristalina de granulação fina, aparentando vidro recristalizado em certas regiões.

Mineralogicamente consite basicamente de oivina bronzita e ferro-niquelífero, com quantidades menores de troilita, plagioclásios, diopsídio e cromita, fases acessórias de apatita e ilmenita. Trata-se de um condrito ordinário pertencente ao grupo H4 dos olivina-bronzita condritos.

Fonte: Meteoritos: Cofres da Nebulosa Solar, Scorzelli, Varela, Zucolotto.