Sanclerlandia

 O meteorito de Sanclerlandia foi encontrado por acaso por Antônio Passos, aluno de graduação da Universidade de Brasília, durante o mapeamento da Serra de Mangabal, localizada no município de Sancrlerlândia, em 5 de outubro de 1971. Antônio começou a bater o martelo na pedra escura e o barulho diferente parecendo sino, chamou a atenção do professor Marcelo José Ribeiro, que notou suas características diferentes das demais rochas da região e até mesmo das que já tinha visto. Tentaram tirar um fragmento menor mas diante da resistência da pedra resolveram desenterrá-la, pois apenas uma pequena superfície da mesma aflorava no caminho. A façanha levou quase o resto do dia.  Permaneceram junto à pedra até a noite por mais 10 dias, até que a etapa do trabalho fosse concluída. 

Chegando à Universidade passaram a examiná-la melhor e concluiram se tratar de um meteorito de ferro. Trata-se de uma massa metálica com 40x35x20 cm e peso de 267kg apresentando depressões e protuberâncias típicas de meteoritos.
O Sancrerlandia é um octaedrito médio (1.1 +- 0.1mm) mostrando estrututra de widmanstatten bem definida com dureza da kamacita média de HV 240+- 20 e profusão de linhas de Neumann e contornos de sub-grão. A taenita e plessita com predominância para ctenofórmica e celular. Apresenta sulfetos com intercrescimento lamelar troilitica daubreelita e precipitados de fosfetos e carlsbergita.
As análises químicas feitas por Wasson e Zuclotto (1986) dão 7.46% Ni, 18.6 ppm de Ga, 36.4ppm de Ge e 7.5ppm de Ir, o que enquadra o Sancrerlandia como um octaedrito médio do grupo magmático IIIAB.
 
Fonte: Meteoritos: Cofres da Nebulosa Solar, Scorzelli, Varela, Zucolotto.