Bendegó

O meteorito de Bendegó, o maior meteorito brasileiro, pesando 5360 kg, constituído de ferro e níquel, esta exposto no Museu Nacional desde 1888 e tem uma réplica, em madeira, no Palais de la Decouverte ( Palácio da Descoberta), um museu de ciência, no coração de Paris.


O Bendegó foi encontrado em 1784, próximo a cidade de Monte Santo, no sertão da Bahia, pelo menino Bernadino da Motta Botelho, quando tomava conta de algumas cabeças de gado. Ate hoje e não se sabe a data que ele caiu. Somente em 1887 uma expedição, chefiada por Jose Carlos de Carvalho, tenente da Marinha, na epoca, foi ate o local e trouxe para o Rio de Janeiro, a pedido de D. Pedro II e de alguns membros da Academia de Ciências de Paris. Ele esta no Museu Nacional, na Quinta da Boa Vista, desde 1888. O trabalho de remoção foi muito difícil, e está descrito no relatório da expedição. Ja em 1886, Orvilhe Derby, do Museu Nacional, alertava para o problema de se recolher o meteorito de Bendegó, pois as enxurradas poderiam encobri-lo.

Em 1785 tinha sido feito uma primeira tentativa frustada, a pedido do governador geral da Bahia, pensando que ele era composto de ouro e prata. A pedra, com mais de cinco toneladas, acabou despencando da carreta, que a levava, puxada por 12 juntas de boi, caindo as margens do riacho Bendegó, ha 180 metros do lugar original. Ao descer uma colina, o carretão, sem freios, acabou ganhando muita velocidade. Dai, a rocha ficou mais de 102 anos esperando nova remoção.

Com o prolongamento da Estrada de Ferro de São Francisco, a 100km de onde estava o Bendegó, é que foi possível sua remoção. O novo carretão foi feito, com rodas de ferro e de madeira. O meteorito acabou caindo seis vezes do carretão, que teve seu eixo partido quatro vezes. Foram 108 km , vencidos com muito sacrifício. Daí ele seguiu de trem ate o porto e depois de navio para o Rio de janeiro.

Quando o meteorito de Bendegó chegou ao Rio de Janeiro, foi feito um corte, para poder se estudar o seu interior, e essa parte, de 60kg, foi repartida e enviada para 14 museus no mundo. Assim, podemos encontrar em Paris, Londres, Nova York, Amsterdã entre outros, pedaços do Bendegó.

Na mesma época foi feita uma copia em madeira do meteorito, no Arsenal de Marinha no Rio, sendo enviada para Paris, quando se comemoraram os cem anos da Queda da Bastilha, a Revolução Francesas, e foi inaugurado a Torre Eiffel. A razão para essa replica, se apresentar ali, foi que, na época, o meteorito de Bendegó, era o maior meteorito exposto em um museu, no mundo. Só dez anos depois disso, e que chegaria ao Museu de Historia Natural de Nova York, o meteorito Cape York, de 36 toneladas encontrado na Groelândia, em 1888.

O maior meteorito do mundo está na Namíbia, na África, Hoba West, pesando 60 toneladas. Não pode ser removido para um museu. Hoje o Bendegó esta em decimo quinto em tamanho.

Por: Marcomede Rangel, artigo publicado na Folha da Manha. Campos dos Goytacazes(RJ).
Domingo, 02 de abril de 1995. P.12, 

 

Fragmento de óxido de Bendegó
Fragmento de óxido de ferro encontrado no local do achado do meteorito Bendegó, provavelmente formado pelo intemperismo agindo sob a face inferior desse corpo espacial, durante cerca dos 10 séculos decorridos desde sua queda e seu achado em 1784. Análises químicas desses fragmentos de óxido de ferro sugerem origem meteorítica, haja vista conter 3,29% de Níquel e 0,28% de Cobalto, além de Ferro combinado com o Oxigênio. Vide estudo completo sobre esse meteorito no site http://www.bendego.com.br.

 Os fragmentos oxidados foram coletados por mim no local do achado.