Coleção Meteoritos
Meteoritos Impactitos
Coleção Brasileiros
Meteoritos Impactitos
A Venda
Meteoritos Impactitos Acessórios
Artigos

Parauapebas (PA, Brasil)

Condrito

Ordinário H4-5

Queda observada

Massa Total: 272g

Em 9 de dezembro de 2013, por volta das 19hs, um meteorito caiu na cidade de Parauapebas, localizada na parte leste do estado do Pará, Brasil. Uma testemunha relatou ter visto o bólido viajando de NE para SW. Uma pedra atingiu o telhado de uma casa, acarretando um forte barulho, que foi ouvido pela moradora Maria das Neves. Ela afirma que um fragmento do meteorito a atingiu e machucou seu ombro direito, porém seu filho relata que sua mãe fora atingida apenas por telhas quebradas pelo impacto do meteorito. Seu filho, Ilson S. Lima, logo após o impacto recolheu a pedra no telhado.  

Outro meteorito desta mesma queda, desta vez com um característico formato de orientação e com 210 g também teve sua queda presenciada por outros moradores da cidade enquanto estavam na frente de suas casas. Meire C. Rosa, seu marido Paulo T. Nunes, sua mãe Rosa C. Santos e seus vizinhos ouviram um alto barulho de trovão e do impacto quando a pedra atingiu a viga de madeira do telhado de sua casa e posteriormente caiu no chão. Meire imediatamente recolheu a pedra e notou que ainda estava quente.

Um fragmento de 62 gramas foi guardado pela Sra. Maria das Neves até 2015, quando cedeu o mesmo a Dorília Cunha para estudo. A Sra Maria das Neves é mãe da cunhada de Dorília, que estava trabalhando no Instituto de Geologia da USP na época e levou o meteorito para ser estudado por algumas pessoas que não mostraram muito interesse. Finalmente conseguiu despertar a atenção do professor Daniel Atencio e juntos começaram as primeiras análises. Em 2017 foi feita uma tentativa sem sucesso de submissão do meteorito ao Comitê de Nomenclatura para oficialização do meteorito. Em 2018, André Moutinho estava cursando uma disciplina de pós-graduação no Instituto de Geologia com o professor Atencio. Este, sabendo da experiência do Moutinho em relação aos meteoritos perguntou se havia interesse em apoiá-lo para tentar conseguir a aprovação do meteorito junto ao Comitê de Nomenclatura. Moutinho então levou uma amostra do meteorito para que a análise também pudesse ser feita em parceria com o Museu Nacional do RJ. Foi feita uma revisão das análises e também do relato para o processo de submissão, além do cadastro do Museu de Geociências como repositório de amostras tipo de meteoritos. O meteorito Parauapebas foi finalmente aprovado em 2 de dezembro de 2018. A entrada do meteorito no Database pode ser acessada por esse endereço: https://www.lpi.usra.edu/meteor/metbull.php?code=68520

No início de 2018, Meire C. Rosa, proprietária da massa orientada de 210g, entrou em contato com Andre Moutinho, que já fazia parte da equipe de classificação do fragmento de 62 g. A pedra de 210 g foi adquirida pelo Moutinho alguns meses depois.

 

Curiosidades sobre o meteorito Parauapebas
O Parauapebas é um meteorito "hammer", termo associado a meteoritos que atingem objetos ou pessoas durante sua queda. Na história somente há um caso muito bem documentado de meteorito que atingiu e feriu uma pessoa. É o caso do meteorito Sylacauga, que caiu em 1954 nos EUA acertando e ferindo a Sra. Anne Hodges. No caso do Parauapebas, como a investigação e o evento se passaram há cerca de 5 anos e não foi possível obter evidências como fotos do ferimento da Sra. Maria. Porém, foram obtidos e gravados o seu depoimento e o do filho, relatando a ocorrência do ferimento. É o primeiro caso brasileiro e um dos únicos no mundo onde a queda de um meteorito causa ferimentos. A amostra tipo depositada no Museu de Geociências pertence ao fragmento que causou ferimentos na Sra. Maria das Neves.

Vale salientar também que o Parauapebas é apenas o terceiro meteorito oficial do estado do Pará, juntamente com o meteorito Ipitinga, tipo H5 e encontrado em 1989, e o Serra Pelada, raro eucrito que caiu na famosa vila de Serra Pelada, em 2017.

 

Classificação e oficialização
Para a classificação e oficialização deste meteorito junto ao Comitê de Nomenclatura da Sociedade Meteorítica foi estabelecido um consórcio entre pesquisadores do Instituto de Geologia da USP e do Museu Nacional/UFRJ. Esse meteorito foi classificado como um Condrito Ordinário tipo H4-5. Composto por duas brechas do mesmo grupo químico H, porém com graus de metamorfismos diferenciados 4 e 5. Participaram deste trabalho os pesquisadores D. Atencio, D. Cunha e A. L R Moutinho (IGc/USP) e C.V.N. Villaça, A. A. Tosi e M. E. Zucolotto (Museu Nacional RJ/UFRJ).
 


Repositório Oficial

Durante a submissão do meteorito Parauapebas, o Museu de Geologia/USP foi cadastrado e oficializado junto ao Comitê de Nomenclatura da Sociedade Meteorítica como repositório oficial de meteoritos tipos. O meteorito Parauapebas é o primeiro meteorito cuja amostra tipo está depositado no IGc/USP.

 

 

Texto descritivo preparado por A. Moutinho em 03/06/2019 para o Museu de Geociências IGc/USP. Revisado por D. Atencio e D. Cunha.

Fatia 13.08g

 Fatia do hammer que feriu a dona de casa.

Individual 201.3g

 Massa com características de orientação como "nose cone" e "roll-over lips". Adquirido do "Finder".

Condrito

Representam o tipo mais comum de meteoritos e guardam em seu interior informações que ajudam os cientistas a desvendar a formação do sistema solar. O termo “condrito” é originado de “côndrulos”, que correspondem a pequenas formações em forma de grânulos envoltos em uma matriz sólida. Esses grânulos representam a matéria primordial da nuvem de gás que originou o sistema solar com todos os planetas e o sol. O material contido nesses meteoritos é praticamente idêntico ao material encontrado no sol com exceção dos materiais leves como hidrogênio e hélio. Assim, os meteoritos condritos são de fundamental importância para a ciência, pois permite abrir uma janela ao passado de 4.5 bilhões de anos e analisar as substâncias e estruturas primitivas presentes nesse estágio de evolução do sistema solar.

A grande maioria das quedas observadas e coletadas é constituída de meteoritos condritos. Porém, em relação aos registros de meteoritos achados e cuja queda não foi presenciada, os meteoritos ferrosos ou sideritos se destacam. Isso deve ao fato de que os sideritos serem mais facilmente identificados e manterem seu aspecto exterior diferenciado por mais tempo em relação às rochas terrestres do que os condritos. Os condritos sofrem muito mais a ação do ambiente terrestre e ao longo do tempo após a sua queda tem seu aspecto externo cada vez mais desgastado e passam a serem confundidos com as rochas terrestres, dificultando o seu achado.
Além do aspecto relativo à sua conservação ao longo do tempo a estrutura dos condritos ainda oferece certa dificuldade para a busca em relação aos sideritos. Um dos principais métodos para procurar meteoritos cuja queda não foi observada é através de detectores de metais. Os meteoritos ferrosos ou sideritos apresentam uma resposta bem mais significativa a esses instrumentos do que os condritos. Apesar da constituição dos condritos não ser formada quase que integralmente de ferro como os sideritos, em seu interior ainda encontramos pequenos grãos de ferro-níquel que ficam evidentes em uma amostra de condrito cortada e polida contra a luz. Essa pequena quantidade de metal ainda é capaz de sensibilizar detectores de metais ou imas. Assim, um bom indicativo quando se esta testando uma amostra que possa ser um condrito é verificar se a mesma atrai levemente um pedaço de imã.
Juntamente com a liga ferro-níquel, os minerais Olivinas e Piroxinas são os principais constituintes dos meteoritos condritos. A pequena quantidade de ferro varia de condrito para condrito e é utilizada como um dos parâmetros para sua classificação, assim como o grau de diferenciação dos côndrulos em seu interior. Essa diferenciação se deve ao fato do material ter sofrido aquecimento em algum estagio de sua existência. Quanto maior o aquecimento, menos perceptivos e dispersos serão os côndrulos em sua matriz e vice-versa. O estudo da composição mineralógica e formação recebe o nome de análise petrográfica. A grande maioria dos meteoritos condritos é classificada por esses dois critérios: quantidade de ferro e grau de diferenciação dos côndrulos.
 
Classificação Petrológica dos Condritos 
  Ausentes
1
Esparsos
2
Abundantes
Distintos
3
4 Indistintos
5
6

Ordinários(OC)

H

 

 

       

L

 

 

       

LL

 

 

       

Carbonaceos (C)

CI

 

 

 

 

 

 

CM

 

 

 

 

 

 

CR

 

 

 

 

 

 

CO

 

 

 

 

 

 

CV

 

 

 

 

 

 

CK

 

 

 

 

 

 

Rumuritos (R )

R

 

 

 

 

 

 

Estantitos (E)

EH

 

 

 

 

 

 

EL

 

 

 

 

 

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Condritos Ordinários (OC)
Os condritos ordinários (OC), correspondendo a cerca de 85% das quedas observadas, podem ser do tipo: H (muito ferro), L (pouco ferro) e LL (muito pouco ferro) seguidos de um índice que indica o grau de diferenciação dos côndrulos de 3 a 6. Sendo o grau 3 os que apresentam côndrulos distintos e o grau 6 praticamente imperceptíveis. A tabela abaixo indica as possíveis classificações dos condritos ordinários.
Condritos tipo H: 38% das quedas observadas são condritos do tipo H. Esse grupo apresenta entre 25 a 31% de ferro por peso do meteorito. Devido a grande quantidade de ferro, esse é o tipo que mais facilmente é atraído por imãs. Além da alta proporção de metal, esse tipo de meteorito é composto por quantidades iguais dos minerais olivinas e piroxinas.
Condritos tipo L: É o tipo mais comum de condrito representando 46% das quedas de condritos observadas. Apresentam entre 20 a 25% de ferro em sua constituição. Ao contrário dos condritos tipo H, os condritos tipo L não atraem tão fortemente os imãs.
Condritos tipo LL: É o tipo mais incomum entre os condritos ordinários com somente cerca de 8.5% das quedas observadas. Contém a menor quantidade de ferro entre 19 a 22% em seu interior.
Todos os Condritos Ordinários tem variação petrológica entre 3 e 6.
Alem dos condritos ordinários, que representam a grande maioria dos condritos, ainda encontramos alguns tipos mais raros como os Condritos E, R e Carbonáceos.
Condritos Estantitos (E)
Condritos tipo E são raros representando cerca de 2 % dos meteoritos rochosos. Foram formados em um ambiente com pouco oxigênio, uma vez que a elemento ferro se apresenta de maneira isolada como metal ou associada ao enxofre na forma do mineral troilita (FeS). O minério piroxina é constituído dos elementos (Ca, Mg, Fe)+2 associados a cadeia SiO3-2 . Quando a piroxina apresenta em sua cadeia somente o elemento Mg, recebe o nome de estantita. 65% desse meteorito é formado por enstantita, daí a sua classificação como Condrito Enstantito (E). Ainda há duas subclassificações para o condrito tipo E. Condrito tipo E com baixa (EL) e alta (EH) quantidade de ferro. Devido à ausência do elemento O, sugere-se que a formação desse tipo de meteorito ocorreu próximo ao sol em relação aos meteoritos ordinários, provavelmente dentro da órbita de mercúrio.
Condritos Rumuritos (R)
Tipo de condrito classificado mais recentemente em relação aos outros tipos. Recebe a classificação R devido ao primeiro tipo ter sido descoberto em 1934 próximo a Rumuriti, na região sudoeste de Quênia. Os condritos R são brechas (formações de fragmentos grandes e angulosos, em meio de uma cimentação composta de material mais fino) constituídas por fragmentos claros em uma matriz escura de grãos finos. Condritos R são levemente atraídos por imãs. É o tipo de condrito que tem a maior parcela de Ferro oxidado (essencialmente livre de ferro metálico), oposto ao condrito tipo (E)
Condritos Carbonáceos (C)
Raro tipo de condrito composto de material orgânico e primitivo. Apesar de seu pouco apelo estético são os mais interessantes, pois apresentam dicas fundamentais para a origem da vida. Sua composição química é a mais complexa e varia enormemente em relação aos condritos ordinários. Sua estrutura interna varia desde o tipo petrológico 1 ao 6 (côndrulos altamente distintos até praticamente indistintos). A principal característica de todos os condritos carbonáceos é a presença de minerais relacionados à água que, em alguns espécimes, penetrou em seu interior logo após sua formação. Essa água reage com os minerais internos formando silicatos hidratados muito frágeis. Por isso os carbonáceos encontrados são geralmente quedas observadas e coletados logo após, pois se degeneram rapidamente em ambiente terrestre. Foram encontrados seis tipos de meteoritos carbonáceos e são designados pela letra C seguida da letra correspondente ao local onde foi encontrado o primeiro exemplar.
Carbonáceo CI: Sua designação I deriva do meteorito Ivuna encontrado em 1938 na Tanzânia. Tipo petrológico 1 (CV1). É o tipo mais frágil, pois é o que apresenta maior quantidade de água em sua constituição (20%). Quando aquecido em um recipiente fechado, forma-se vapor de água provenientes do seu interior. Nove registros de meteoritos CI estão presentes em 2009 no Meteoritical Bulletin Database.
Carbonáceo CM: Sua designação provém do meteorito Mighei, cuja queda ocorreu em 1889 na Ucrânia. Apresenta tipo petrológico 2 (CM2) e contém menos água que o tipo CI (10%) e. É o tipo mais abundante de carbonáceo encontrado com 355 registros em 2009 no Meteoritical Bulletin Database. O famoso meteorito Murchison é um exemplar conhecido de carbonáceo CM2.
Carbonáceo CV: Designação proveniente do meteorito Vigarano, cuja queda se deu na Itália em 1910. É o carbonáceo que possui maior familiaridade de constituição e estrutura em relação aos condritos ordinários. Apresentam menos água em seu interior e, desta maneira, são mais resistentes ao ambiente terrestre. Exibe classificação petrológica 3 (CV3) com côndrulos altamente definidos de 1 mm ou maior em diâmetro compostos de olivinas ricas em magnésio. A característica mais marcante dos condritos CV3 é a presença de inclusões grandes e irregulares em sua matriz cinza. Essas inclusões são denominadas CAI (Inclusões de Cálcio e Alumínio). O mais famoso exemplar desse tipo de carbonáceo é o Allende que caiu no México em 1969, espalhando cerca de 2 toneladas de material em Chihuahua.
Carbonáceo CO: Sua designação é proveniente do meteorito Ornans, que caiu na França em 1868. Possui, assim como o Carbonáceo CV, tipo petrológico 3 (CO3). Diferentemente dos carbonáceos CV3, seus condrulos são minúsculos de cerca de 0.2 mm de diâmetro visíveis somente com uma lupa de aumento e estão muito mais compactados em uma mesma área em relação ao CV3. Outra característica desse tipo é a presença de grão de Ferro-Níquel espalhados em seu interior apresentando cerca de 6% do peso do meteorito.
Carbonáceo CR: Designado pelo meteorito Renazzo, cuja queda foi observada na Itália em 1924. Inicialmente classificado como CM2 tipo II, recebeu uma nova classificação devido a descobertas de novos meteoritos na Antártica. A principal característica dos condritos CR é a presença de minerais silicatos hidratados, magnética e condrulos bem definidos. O conteúdo metálico é a sua principal característica, encontrado como finos grãos entre os côndrulos. Aproximadamente 50% do meteorito apresenta grandes côndrulos com cerca de 0,68 mm de diâmetro.
Carbonáceo CK: Meteoritos que eram anteriormente classificados como CV4-5 agora recebem a denominação CK. A única queda observada foi em 1930 em Karoonda, Austrália. A maioria dos exemplares com essa classificação foi encontrada na Antártica e somente um exemplar com grande massa encontrado em Maralinga, Austrália, no ano de 1974 está disponível para os colecionadores.

Teoria de formação dos côndrulos:

A teoria mais aceita diz que os côndrulos seriam a poeira que ficava mais próxima ao Sol e que, quando ele começou a produzir calor acabou derretendo e formou pequenas gotículas que depois foram sopradas pelo vento solar e acabaram se resfriando e se misturando com o resto da poeira e com os flocos de metal (que originaram a matriz dos meteoritos). Outra teoria mais recente diz que o aquecimento também pode ter ocorrido devido a indução de correntes elétricas na poeira (que tinha alta resistência e por isso aqueciam) devido ao forte campo magnético do Sol. Mais estudos estão sendo feitos, mas é possivel que ambos os efeitos possam ter ocorrido.